Quando adoeci devido a constantes ataques de magia, eu me ressenti com a espiritualidade, pois jamais deixei de fazer as oferendas aos semideuses, conforme o Senhor Krishna nos ensina no Bhagavad Gitā. Abaixo transcrevo o Sutra de Lótus de no 18:

(Pérola 18. A IMPORTÂNCIA DO SACRIFÍCIO (versos 9 a 16)
9. Deve-se realizar o trabalho como um sacrifício a Vishnu; caso contrário, o trabalho produz cativeiro neste mundo material. Portanto, ó filho de Kunti, executa teus deveres prescritos para a satisfação d’Ele, e desta forma sempre permanecerás livre do cativeiro.
10. No início da criação, o Senhor de todas as criaturas enviou muitas gerações de homens e semideuses, que deveriam dedicar-se a executar sacrifícios para Vishnu, e abençoou-os dizendo: “Sede felizes com este yajña (sacrifício) porque sua execução outorgar-vos-á tudo o que é desejável para viverdes com felicidade e alcançardes a liberação”.
11. Os semideuses, estando contentes com os sacrifícios, também vos agradarão, e assim, pela cooperação entre homens e semideuses, a prosperidade reinará para todos.
12. Cuidando das várias necessidades da vida, os semideuses, estando satisfeitos com a realização de sacrifício, suprirão todas as vossas necessidades. Mas aquele que desfruta destas dádivas sem oferecê-las aos semideuses como reconhecimento é certamente um ladrão.
13. Os devotos do Senhor libertam-se de todas as espécies de pecados porque comem alimento que primeiramente é oferecido como sacrifício. Outros, que preparam alimento para o próprio gozo dos sentidos, na verdade comem apenas pecado.
14. Todos os corpos vivos subsistem de grãos alimentícios, que são produzidos das chuvas. As chuvas são produzidas pela execução de sacrifício, e o sacrifício nasce dos deveres prescritos.
15. As atividades reguladas são prescritas nos Vedas, e os Vedas manifestam-se diretamente da Suprema Personalidade de Deus. Por conseguinte, a Transcendência onipenetrante situa-Se eternamente nos atos de sacrifício.
16. Meu querido Arjuna, aquele que, na vida humana, não segue esse ciclo de sacrifício estabelecido pelos Vedas certamente leva uma vida cheia de pecado. Vivendo só para a satisfação dos sentidos, tal pessoa vive em vão.)

O mundo de Deus é um mundo mental, mas enquanto não pudermos conceber e usufruir desse mundo mental precisamos nos exercitar incansavelmente através dos rituais que nos levarão à libertação de nossas mentes. O exercício de rituais de fé liberta a alma de si mesma!
Existem muitas linhas de Pomba-giras atuantes na vida de cada pessoa, e cada uma manifesta-se de acordo com a seriedade do médium, se forem realmente Pomba-giras.
Muitas entidades malígnas usam o nome de Maria Padilha, mas essas manifestações são desmascaradas, já que a verdadeira Maria Padilha trabalha subordinada às Leis de Deus e de Sua outorga divina.

A entidade que desenhou essas cartas sempre esteve a meu lado, desde os tempos de menina, quando ainda com oito anos, eu frequentava um Centro Kardecista, em Bento Ribeiro,subúrbio do Rio de Janeiro.
Ela e todas as entidades que me acompanham foram evangelizadas e tem plena consciência da existência de Jesus e de toda a Sua Hierarquia Celeste.